Toda indenização é isenta do Imposto de Renda?

A questão da isenção de imposto de renda sobre indenizações é bastante controvertida e gerou uma grande quantidade de discussões ao longo dos anos.

Muitos contribuintes acreditam que toda indenização é isenta de imposto de renda, o que não é verdade.

Neste artigo, iremos esclarecer a questão e mostrar quais indenizações estão isentas de imposto de renda.

A primeira coisa que precisamos esclarecer é o que é considerado uma indenização.

De acordo com a legislação brasileira, indenização é “qualquer pagamento feito a título de reparação, indenização, ressarcimento, compensação ou qualquer outra forma de satisfação por dano ou prejuízo sofrido por pessoa física ou jurídica”.

Dessa forma, podemos dizer que indenização é um pagamento feito para reparar um prejuízo.

Logo, se recebermos uma indenização por um dano sofrido, o valor será tributável.

Por exemplo, se eu sofro um acidente de carro e recebo uma indenização pelos danos materiais, esse valor será tributável.

Por outro lado, se recebermos uma indenização por danos morais, esse valor não será tributável.

Isso acontece porque a legislação brasileira considera danos morais como um prejuízo não patrimonial, que não está sujeito a imposto de renda.

A lógica

Para que um rendimento seja considerado tributável é que ele gere uma variação patrimonial positiva, ou seja, aumente o patrimônio.

Contrário senso, o argumento a favor da isenção é que o ingresso apenas está repondo uma perda patrimonial anteriormente verificada.

Por isso que indenizações pagas através de apólices de seguro são consideradas isentas, uma vez que buscam apenas repor o patrimônio perdido.

Começo pela indenização por desapropriação por utilidade pública ou por interesse social que até 2012 era considerada tributável.

X

A partir daí, passou a ser considerada isenta pelo fato de a propriedade ser transferida ao Poder Público por valor justo é determinado pela justiça a título de indenização, não ensejando lucro, mas mera reposição do valor do bem expropriado.

Esse tratamento é o mesmo tanto para a desapropriação amigável quanto para a judicial.

 

Imune ao Imposto de Renda

 A desapropriação para fins de reforma agrária é conforme define o parágrafo 5º do artigo 184 da Constituição Federal de 1988 é imune.

Uma situação, agora tributável, é a constituição da servidão de passagem para o caso, por exemplo, de um imóvel rural por onde passa uma linha de transmissão de energia elétrica, o que gera uma indenização pela limitação de uso do bem, e o valor pago, incluindo eventuais juros ou atualização, é tributável através da sistemática do carnê-leão, se recebido de pessoa física ou pela retenção na fonte, se recebido de pessoa jurídica, ajustado, em ambos os casos, na Declaração de Ajuste Anual.

XXXX

Mesmo se tratando de uma indenização referente a imóvel, a tributação não ocorre pela sistemática dos ganhos de capital, porque não há a transmissão ou transferência da posse ou propriedade, mas apenas a limitação de seu uso.

Já a indenização por danos materiais, cujo objeto é repor o dano patrimonial sofrido, não é tributável, incluindo juros e atualizações, até o limite do custo de aquisição do bem, conforme parecer do fisco emitido pela solução de consulta DISIT/SRRF07 nº 61 de 21 de junho de 2013.

Se falei do dano material, é hora de falar do dano moral cuja indenização também é tida pelo fisco como isenta de imposto de renda.

Vale lembrar que o reconhecimento da isenção veio a partir de decisão do STJ que levou em conta o princípio da reparação integral, e considerando que “a indenização por dano estritamente moral não é fato gerador do imposto de renda, pois limita-se a recompor o patrimônio imaterial da vítima, atingido pelo ato ilícito praticado”.

Antes de encerrar, cito a indenização por lucros cessantes ou, no juridiquês, “pensionamento” por redução da capacidade laborativa decorrente de dano físico causado por terceiro”, que é considerada de natureza tributável por representar acréscimo patrimonial por não apenas repor o que o indivíduo perdeu, mas o que deixou de lucrar ou de ganhar, o que, em tese, representa uma renda nova, um acréscimo patrimonial.

XXX

Uma pesquisa pelo termo “indenização” no caderno de perguntas e respostas do Imposto de Renda da Pessoa Física, o conhecido “Perguntão 2022”, disponibilizado pela Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, mostrará mais algumas situações relativas às indenizações tributadas em alguns casos e isentas em outros.

Me socorro do Código Tributário Nacional, a Lei 5.172, de 25 de outubro de 1966, para deixar claro por que, mesmo sendo indenização, em alguns casos ocorre a tributação e em outros, a não incidência ou a isenção.

No próprio artigo que trata do “imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza”, Art. 43, temos a resposta em seu parágrafo 1º: “A incidência do imposto independe da denominação da receita ou do rendimento, da localização, condição jurídica ou nacionalidade da fonte, da origem e da forma de percepção.”

Dessa forma, podemos concluir que a maioria das indenizações não está sujeita a imposto de renda. Para saber mais e tirar as suas dúvidas, entre em contato conosco e saiba qual é a indenização que você recebeu e se ela está isenta de imposto de renda.

Quer saber mais sobre o assunto?

Deixe seu comentário.

Metade dos contribuintes ainda não declarou o IR – Novo Prazo 30 de junho

A Receita Federal fez um anuncio muito preocupando na manhã desta quinta-feira (28), segundo o órgão, mais de 30 milhões de contribuintes ainda não enviou os dados relativos aos ganhos de 2019.

Segundo o ultimo levantamento do Fisco, apenas 16 milhões de brasileiros fizeram os envios. O prazo original para a entrega do imposto de IR (Imposto de Renda) era 30 de abril, mas a obrigação, foi adiado para 30 de junho devido à pandemia de Covid-19.

Em entrevista, o supervisor nacional do IR, disse a imprensa que, “Não tinha como não adiar, foi um período difícil, as pessoas estavam preocupadas.” Falou à Folha.

O supervisor ainda disse que, segundo ele, todos os procedimentos necessários para incluir a declaração podem ser feitas pela internet, incluindo a regularização do CPF.

O Motivo de tantas pessoas ainda não declararem o seu IR foi por causa do distanciamento social decretando para deter o avanço da doença, contribuintes estavam com limitações para reunir toda a documentação e acessar especialistas da área para tirar todas as dúvidas.

 

Quem deve declarar renda?

A declaração é obrigatória para os cidadãos que se enquadra nas situações abaixo;

  • Recebeu mais de R$ 28.559,70 de renda tributável no ano; (Salário, aposentadoria ou aluguel)
  • Ganhou mais de R$40 mil isentos, tributáveis ou não tributáveis; ou seja, se você recebeu uma indenização, um prêmio na loteria ou até mesmo juntou o valor na poupança, deve declarar seus valores.
  • Teve ganho com venda de bens como casa, carros, e outros;
  • Comprovou ou vendeu ações na Bolsa de Valores;
  • Recebeu mais de R$142.798,50 em atividades rurais;
  • Era dono de bens que somados ultrapassava o valor de R$300 mil;
  • Passou a morar no Brasil no ano de 2019, mas foi embora em 31 de dezembro;
  • Vendeu e comprou outro imóvel dentro de um curto prazo de 180 dias;

Caso você se enquadre nas exigências acima você é obrigado a declarar sua renda, caso ainda tenha dúvidas, entre em contrato com nosso escritório de contabilidade e lhe auxiliamos em tudo, mas NÃO DEIXE PARA A ULTIMA HORA.

Onde Baixo o Programa do IR 2020?

O programa pode ser baixado diretamente da sua loja de aplicativo do seu sistema operacional, ou você pode baixar diretamente do site da instituição. Caso queira pode baixar CLIQUE AQUI.

 

Quais documentos necessito para declarar renda?

 

Fique atento, para declarar renda você precisa dos seguintes documentos abaixo:

  • Informações pessoal; separe os dados da conta bancária para restituição ou débitos, caso haja. Além disso, tenha em mãos, nome, CPF, grau de parentesco dos dependentes e data de nascimento. Também será necessário o seu endereço atualizado, o comprovante de sua atividade profissional e a cópia da última Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física entregue.
  • Renda; Rendimentos de Salários desde holerites a estratos bancários, pró labore, distribuição de lucro, aposentadoria ou pensão, outras rendas recebidas de bens como aluguel, DARFs do carnê-leão.
  • Pagamentos Efetuados; Informes de pagamentos ou reembolsos, ou despesas pessoais ou familiares.
  • Ônus ou dividas; Qualquer documento que comprove o ônus ou as dívidas.
  • Direito e Bens; Qualquer documento que comprove a compra ou a venda de bens no ano vigente, seja ele imóveis ou veículos.
Suporte