O que mudou nas Micro e Pequenas Empresas depois da pandemia?

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas.

Se o impacto sobre a vida humana é negativo, ainda não é possível afirmar todas as consequências dos impactos econômicos causados pela crise do novo coronavírus no Brasil, mas a falta de acesso a crédito bancário para as micro e pequenas empresas do país obrigam os empreendedores a tomar medidas de contenção de despesas e racionalização de custos.

A estimativa consta do boletim Focus, publicação divulgada semanalmente pelo Banco Central, com a projeção para os principais indicadores econômicos. A previsão para o crescimento do PIB em 2021 segue em 3,20%; e para 2022 e 2023 continua em 2,50%.

O Valor das Micro e Pequenas Empresas 

Representando o grupo empresarial mais frágil diante da crise de Covid-19, de acordo com dados do Sebrae, as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) têm 27% de participação na formação do Produto Interno Bruto nacional e respondem por 52% dos empregos com carteira assinada.

Segundo especialistas, algumas podem ser obrigadas a demitir funcionários e fechar as portas, pois com o isolamento social, hábitos e prioridades de consumo foram modificados e, consequentemente, o dinheiro passou a circular com velocidade muito menor na economia.

“O Brasil ainda está vivenciando a entrada na tempestade, enquanto alguns países estão saindo, como China e Coréia do Sul. É evidente que ao sair da tempestade, o efeito da crise causará dor durante algum tempo, em vários sentidos. Para tentar minimizar os impactos, as micro e pequenas empresas podem tomar algumas medidas”, comenta Otaniel.

Transformar-se

Com a pandemia, novos modelos de negócios e canais  de comercialização e “empresários que ainda não possuem ferramentas e canais digitais devem refletir sobre isso, pois esses novos canais tornaram-se importantes fontes para o fortalecimento de receitas”.

Uma empresa que não está apta a compreender essa mudança, conceber uma adaptação de seus produtos, crenças e modo de operar, está fadada ao fracasso. Ao perceber que algo está segurando o crescimento do negócio, um bom empreendedor sabe reagir de forma rápida para mudar o que for preciso.

Apegar-se às próprias ideias de forma obtusa não combina com quem quer empreender nesse cenário.

Visão além da crise

Quem lidera uma micro ou pequena empresa, a prioridade máxima deve ser manter a família e os funcionários em segurança. Nesses períodos de dificuldades, é preciso rever os processos da empresa, conversar com a equipe e ouvir o que eles têm a dizer, além de observar pontos de melhoria, analisar formas de redução de custo com fornecedores, pode ajudar a segurar o negócio durante esse período de dificuldades.

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)
Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)

Atenção redobrada com o fluxo de caixa

A maioria das MPEs não possuem governança elevada e seus fluxos de caixa são apertados, sem reservas financeiras – algumas sobras são imobilizadas sem alinhamento estratégico com a operação, ficando sem liquidez.

Tempo e dinheiro são recursos finitos, por isso, é preciso saber usá-los com sabedoria. Planejar a necessidade de um fundo de emergência, saber onde gastar e ter recursos para manter a empresa funcionando até o ponto de virada é imprescindível.

Reduzir custos desnecessários  

Nesse momento de crise, priorize os principais custos da empresa. “Elimine os gastos extras o mais rápido possível. Essa medida pode não salvar a empresa a curto prazo, mas certamente, trará mais clareza a longo prazo. Após a crise, ela estará mais forte. Enxugando os gastos, podemos reduzir os prejuízos”, frisa Otaniel Martins.

Não ignore as mudanças no mercado

Empresas falham quando não estão resolvendo um problema do mercado. Muitas vezes, o empreendedor tem uma grande ideia e uma ótima estrutura tecnológica por trás, mas essa solução não atende as necessidades atuais do mercado consumidor.

Portanto, apesar de difícil, essa também é uma grande oportunidade para fomentar esse conceito e toda a sua cadeia em nossa sociedade. Afinal, gera mais empregos, fluxo de capital, amadurece a estrutura de investimentos em pequenos negócios, entre outros benefícios.

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)
Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)

A mudança também inclui uma maior aproximação com seus fornecedores, reconstruindo a relação em um formato mais próximo ao da sua empresa. Eles podem se tornar parceiros e fazerem parte do negócio, e isso também deve ser levado em consideração fora dos períodos de crise.

A pandemia provocou mudanças nas maneiras de se fazer negócios. As micro e pequenas e presas terão que pensar rápido e diferente. Esse novo mundo aprendeu que não dá para focar apenas o maior ganho.

É melhor focar os ganhos menores para continuar no azul. É um mundo que vai olhar muito para a transformação digital e encontrar novas alternativas para antigos e novos problemas.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e acompanha a gente nas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Veja também

Saiba como funciona o pagamento de férias coletivas

Pesquisa revela relação entre empresário e contador. Veja

Efeitos da Pandemia sobre os cálculos do 13º salário

Veja dicas de gestão para empreendedores iniciantes

Abrir um negócio e ter gestão é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal: elaborar um bom planejamento estratégico e financeiro. A cada 100 empresas abertas no Brasil, pouco mais de 75 sobrevivem ao primeiro ano, segundo o Sebrae.

Para Vinícius Roveda, fundador da ContaAzul, empresa que oferece serviços de gestão online para pequenas empresas, os cuidados dos empreendedores iniciantes devem ser redobrados. Com o objetivo de ajudar quem está começando, ele listou 12 dicas para quem quer evitar os erros mais comuns ao abrir um negócio:

1 – Compartilhe a sua ideia

Essa atitude, mesmo em um estágio inicial do negócio, pode economizar um bom tempo e muito dinheiro. Esqueça o medo de que alguém irá copiar o seu projeto e compartilhe o que pensa com outros empreendedores, principalmente com aqueles que já tiveram alguma experiência semelhante.

2 – Valide o seu modelo de negócio

Roveda afirma que a falta de planejamento é uma das principais causas de mortalidade das empresas. Os erros são comuns, mas o importante, segundo ele, é que as falhas sejam encaradas como um aprendizado. O ideal é testar e validar seu negócio o mais rapidamente possível – e não ter medo de mudar completamente a estratégia caso seja preciso. Lembre-se de que, se você invalida uma ideia em pouco tempo, o prejuízo é menor. O canvas é um modelo bastante útil para elaborar seu plano de negócios. Aprenda aqui a fazê-lo.

3 – Conheça profundamente os seus clientes

Quanto mais você conhecer o seu cliente, maior será a probabilidade de você ter sucesso. Mas não basta apenas ter informações do tamanho do seu público-alvo e de sua preferência. Também é importante entender o comportamento, os hábitos e as rotinas de quem você quer atingir. Com essas informações em mãos, é possível personalizar produtos ou serviços, conquistar os usuários e obter sucesso mais facilmente.

Abrir um negócio e ter a gestão é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal. (Imagem: Ilustrativa)
Abrir um negócio e ter a gestão é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal. (Imagem: Ilustrativa)

 

Quais são as profissões do futuro?

Quem deve emitir Nota Fiscal Eletrônica?

4 – Fuja da informalidade

Empreendedores iniciantes se veem tentados a começar suas atividades de maneira informal. A intenção principal é fugir dos impostos. No entanto, sem a formalização, o seu negócio fica impedido de crescer. A capacidade de emitir nota fiscal, criar uma conta bancária como pessoa jurídica, obter máquinas de cartão de crédito e solicitar empréstimos públicos é exclusiva para quem tem um CNPJ.

5 – Seja um bom gestor administrativo

Ter experiência no ramo de atuação é importante, mas não é tudo. Boa parte dos empreendedores iniciantes acredita que é possível administrar uma empresa com o conhecimento adquirido em uma graduação específica. Para Roveda, tal postura é inadequada. Sem conhecimento em administração, o empresário corre o risco de ver o negócio afundar.

6 – Tenha uma vida financeira organizada

Muitos empreendedores vivem mergulhados em uma completa desorganização financeira, algo terrível para os negócios. Para “sair do vermelho”, o primeiro passo é organizar seu fluxo de caixa. Com planilhas simples, é possível controlar os valores que entram e saem, inclusive com previsões futuras. Alguns softwares de gestão auxiliam o controle financeiro, informando o que vence e o que deverá entrar no seu caixa. Dessa forma o empresário terá total controle da situação monetária e poderá planejar o crescimento saudável do negócio.

7 – Separe despesas pessoais e empresariais

Às vezes, por causa de apertos financeiros ou pura desorganização, o empreendedor usa o dinheiro da empresa para pagar despesas pessoais – ou vice-versa. Segundo Roveda, esse é um dos erros mais comuns entre os donos de pequenos negócios. Ele recomenda que o empreendedor fixe uma retirada mensal dos ganhos do negócio – valor tecnicamente chamado de pró-labore – e reinvista o resto dos lucros na própria empresa, estimulando seu crescimento.

8 – Defina o valor do seu produto de maneira consciente

Empreendedores iniciantes também costumam errar muito na hora de definir a margem de lucro e fixar preços de produtos. É comum encontrar empresários que vendem muito, mas se queixam de não ver o dinheiro entrar. Isso acontece em razão de cálculos equivocados. Saiba que há técnicas corretas para definir margens de lucro e preço de produtos e serviços. Se você não as conhece, está na hora de rever as finanças da empresa, segundo Roveda.

Abrir um negócio e ter a gestão é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal. (Imagem: Ilustrativa)
Abrir um negócio e ter a gestão é sempre um grande desafio. Muitos empreendedores se concentram apenas na ideia e esquecem o principal. (Imagem: Ilustrativa)

 

Nome Fantasia: O que é? Como escolher para sua empresa

Entenda a relação entre Contabilidade e curva ABC das empresas

9 – Saiba negociar

Cortar gastos e economizar ao máximo: o empreendedor que pensa assim vai longe, de acordo com o fundador da ContaAzul. Uma estratégia importante para conseguir o melhor aproveitamento dos recursos é negociar com os fornecedores. Se você tiver um bom fluxo de caixa, conseguirá fazer compras grandes com pagamento à vista, o que pode significar custos menores na hora de repor o estoque e lucros mais altos no momento das vendas.

10 – Gerencie seu estoque

O gerenciamento de estoque também é um dos pontos fundamentais para o sucesso de um negócio, seja ele virtual ou físico. Todo empreendedor deve ter em mente que, se vender, precisa entregar. Por este motivo, é importante saber exatamente a quantidade de cada item disponível. Caso você trabalhe com mercadorias de curto prazo de validade, o controle deve ser ainda mais rigoroso.

11 – Adote estratégias de comunicação

Estratégias de comunicação devem ser adotadas em qualquer negócio, seja ele de grande ou pequeno porte. Algumas medidas criativas podem ser adotadas sem grandes custos. Um newsletter para o e-mail dos seus clientes, informando sobre novidades e promoções, é uma forma relativamente barata de informá-los. As redes sociais, segundo Roveda, não podem ser deixadas de lado.

12 – Seja criativo

O fundador da ContaAzul não acredita que seja preciso “reinventar a roda”. Mas soluções criativas e diferenciais exclusivos são decisivos para levar sua empresa ao sucesso.

É essencial você consultar uma empresa de contabilidade de preferência digital, assim você terá as orientações precisas sobre as licenças e inscrições necessárias à sua atividade específica e menos burocracia. Estamos aguardando seu contato para melhor assessorá-lo. Conte com a Lucre no seu novo projeto!

Fonte: Conta Azul 

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e siga as redes sociais Facebook, Instagram, Linkedin e Youtube.

Nome Fantasia: O que é? Como escolher para sua empresa

Quando estão próximos de ter o primeiro filho, geralmente os país sofrem em uma etapa extremamente importante, a escolha do nome. Afinal de contas, será exatamente pelo nome, que a criança será conhecida em sua trajetória de vida.

A mesma importância se dará ao nome de uma empresa. Escolher a identidade de um negócio é um dos passos mais importantes para quem está começando. Para escolher, a decisão, de acordo aos estudiosos, deverá ser baseada em aspectos que despertam no público-alvo a curiosidade de conhecer a empresa e adquirir o produto ou serviço oferecidos por ela.

Quando estão próximos de ter o primeiro filho, geralmente os país sofrem em uma etapa extremamente importante, a escolha do nome. (Imagem: ilustrativa)
Quando estão próximos de ter o primeiro filho, geralmente os país sofrem em uma etapa extremamente importante (Imagem: ilustrativa)

 

Pesquisa revela relação entre empresário e contador. Veja

Saiba as diferenças entre sócio – administrador e sócio – quotista

NOME IDEAL

O nome ideal é aquele que tem apelo entre os consumidores, se diferencia dos concorrentes, é pronunciável e facilmente escrito, nomes de grafia simples facilitam a busca na internet, não existe nome bom ou ruim, mas a pronúncia e a escrita são características essenciais para que a empresa seja lembrada pelos clientes.

DICAS IMPORTANTES

De acordo ao Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) o processo de escolha do nome da empresa vai exigir criatividade, mas também é necessário ter cautela: a tentativa de encontrar um termo engraçado, por exemplo, pode resultar em associações impróprias.

Alguns questionamentos simples, baseado em algumas questões, pode indicar um nome ideal durante o processo de escolha do nome:

  • Quais palavras que remetem ao seu empreendimento chamam a atenção do público-alvo?
  • Qual o melhor termo para descrever o serviço ou produto que oferece?
  • Quais símbolos, figuras ou personagens melhor representam o que a empresa faz?
  • Quais os nomes dos concorrentes? Há algum padrão no mercado?
Quando estão próximos de ter o primeiro filho, geralmente os país sofrem em uma etapa extremamente importante, a escolha do nome. (Imagem: ilustrativa)
Quando estão próximos de ter o primeiro filho, geralmente os país sofrem em uma etapa extremamente importante (Imagem: ilustrativa)

Saiba a importância do Departamento Pessoal para uma empresa

Conheça o SEFAZ e veja porque você precisa dele

ONDE REGISTRAR

O IPNI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial), é um órgão do governo federal que tem a responsabilidade de registrar a propriedade intelectual em patentes, marcas, desenhos industrial e programas de computador, após a escolha do nome faça uma busca no site do INPI e verifique também na internet e em mídias sociais se há outra empresa ou marca com o mesmo nome.

Após confirmada a originalidade do nome, é essencial registrá-lo no INPI para garantir sua propriedade sobre ele.

Fonte: Sebrae

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e tenha um dos melhores escritórios do país ao seu lado. Siga as nossas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

 

Entenda a relação entre Contabilidade e curva ABC das empresas

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. Conheça aqui um pouco mais sobre esse assunto e entenda como a contabilidade atua na definição dessa curva dentro das empresas dos seus clientes.

O QUE É A CURVA ABC?

A curva ABC, também conhecida como 80-20, foi criada baseada nas teorias econômicas de um renascentista italiano, em 1897, chamado Vilfredo Paretto. Na época, ele criou um estudo sobre como era feita a distribuição de renda e percebeu, então, que a distribuição das riquezas era feita de uma forma muito desconforme: Paretto constatou que 80% das riquezas se concentravam nas mãos de uma pequena porção da população, 20%. Daí o nome curva 80-20.

Desde então, esse princípio de avaliação passou a ser aplicado em várias outras áreas e atividades, como nos setores industrial e comercial. Hoje em dia, a curva ABC vem sendo muito utilizada no controle de estoques, na definição de políticas de vendas, no planejamento de distribuição, na programação da produção e em vários outros assuntos comuns no dia a dia de toda empresa.

Com o avanço tecnológico e o uso de computadores que se tornam cada vez mais potentes e mais acessíveis, surgiram muitos softwares que ajudam com um processamento muito mais prático do grande volume de dados com que uma empresa tem que lidar frequentemente.

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)
A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)

Empresa pode pedir teste de gravidez no exame admissional ou demissional?

Quais são as profissões do futuro?

MAS AFINAL, O QUE REPRESENTAM AS LETRAS A, B E C?

No caso do estoque, as letras A, B e C separam os itens de acordo com sua importância e impacto. Dessa forma, a classificação fica assim:

Classe A: se trata dos principais itens no estoque. São itens de altíssima prioridade, que nunca devem faltar. 20% desses itens já correspondem a 80% do valor do estoque.

Classe B: são itens ainda considerados preciosos economicamente, mas menos importantes que da classe A. 30% desses itens correspondem a apenas 15% do valor do estoque.

Classe C: esses são os 50% restantes dos itens em estoque. São os menos valiosos e correspondem a apenas 5% do valor do estoque.

No caso dos clientes, é só aplicar a mesma regra. Clientes da classe A são aqueles com os contratos mais caros e responsáveis pelas maiores vendas da empresa, e assim sucessivamente, seguindo a classificação.

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)
A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)

Quem deve emitir Nota Fiscal Eletrônica?

Chegou a hora de Migrar de MEI para ME. Saiba como

QUAL A RELAÇÃO DA CURVA ABC COM A CONTABILIDADE?

Como a curva ABC permite que seja feita uma análise envolvendo todas as vendas, compras, estoque e, consequentemente, o dinheiro movimentado, a curva ABC possui grande valor para a contabilidade da empresa. Se tudo o que entra e sai da empresa for rigorosamente controlado, a chance de ter um nível de fluxo de caixa adequado é muito maior. Além disso, a curva ABC evita alguns acidentes potencialmente perigosos como, por exemplo, deixar clientes desabastecidos, finanças comprometidas ou compras inadequadas e desnecessárias.

É um conceito relativamente fácil de ser aplicado, mas exige que o gestor da empresa e o profissional contábil tenham grande atenção para com o estoque — que costuma ser um grande problema para as empresas, pois demanda muito espaço e custos para mantê-lo.

Fonte: Jornal Contábil

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e nós acompanhe nas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Entenda como aumentar suas vendas com o Pós-Venda

Muitos empreendedores trabalham exaustivamente no processo de prospecção de clientes e conclusão de vendas de seus produtos. Sabemos o quanto esse processo é extremamente complicado, e concluir uma venda é praticamente mais uma missão cumprida. Entretanto, um dos passos mais importantes das vendas é simplesmente deixado de lado, o Pós-Venda.

O QUE É?

O Pós-Venda é um importante processo que pode fazer empresas se tornarem referência em seus mercados de atuação. Através dele, é possível fazer os clientes se tornarem praticamente promotores de sua marca.

Esse procedimento, em sua maioria, consiste em verificar a satisfação do cliente depois que ele já fechou uma transição com sua empresa. Das empresas que fazem esses serviços – por entender a importância dele -, as empresas de instalação de TV a Cabo são referência no mercado na utilização do Pós-Venda.

Após vender os seus serviços, essas empresas têm como política, entrar em contato com o consumidor para verificar se a instalação foi feita na data correta, e principalmente se o técnico responsável pela instalação realizou o procedimento de forma correta.

O Pós-Venda é um importante processo que pode fazer empresas se tornarem referência em seus mercados de atuação. (Imagem: Ilustração)
O Pós-Venda é um importante processo que pode fazer empresas se tornarem referência em seus mercados de atuação. (Imagem: Ilustração)

COMO FAZER?

O primeiro passo para fazer isso, é necessário decidir quem ficará responsável por executar essa função. Em pequenas empresas, em sua maioria são as próprias equipes de vendas que realizam essa tarefa. Já em grandes empresas, onde há grandes investimentos, o ideal é criar uma área voltada somente para isso.

É importante também criar um fluxo para definir as formas de entrar em contato com os clientes e em que momentos isso será realizado. Algumas empresas, por exemplo, estipulam que o contato deve ser feito um dia após a compra, onde o consumidor recebe um e-mail perguntando se ele está satisfeito com a sua mercadoria ou serviço.

De acordo ao Lee Resources, com o pós-venda o consumidor tem 70% de chance de retornar ao seu negócio, além disso, ele ainda poderá indicar sua empresa para amigos e parceiros, ou seja, resulta em fortalecer cada vez mais a marca no mercado.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e siga nossas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Leia também:

Qual o papel da consultoria jurídica em uma análise de financiamento?

Saiba como funciona o pagamento de férias coletivas

Não emitir nota fiscal é crime? Saiba mais

Redação de Thiagho Silva

Pesquisa revela relação entre empresário e contador. Veja

Como anda a sua relação de empresário com o seu contador? Essa parceria tem rendido bons frutos? Para saber mais sobre isso, uma das instituições mais importantes do Brasil, no ramo empresarial fez uma pesquisa detalhada sobre esse assunto.

Disposta a entender mais sobre a relação entre empresário e contador, o SEBRAE (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) ouviu 6.054 micros e pequenos empresários em 2017. Nela, eles responderam de que forma os profissionais de contabilidade têm contribuído para os avanços dos negócios.

PERFIL

Em relação ao perfil dos entrevistados, 72% utilizam serviços de empresa de contabilidade, enquanto 28% recorrem a contadores autônomos. Há também, uma certa fidelidade, já que 69% dos empreendedores se relacionaram com um só contador ou escritório contábil.

Procure manter sempre uma boa relação com o seu contador, ele é o seu braço direito nas questões financeiras da empresa. (Imagem: Ilustrativa)
Procure manter sempre uma boa relação com o seu contador, ele é o seu braço direito nas questões financeiras da empresa. (Imagem: Ilustrativa)

PARCERIA

Quase todos os empreendedores que fizeram parte deste estudo fazem uso de serviços básicos de contabilidade, como balancete, folha de pagamento, obrigações trabalhistas e tributárias. Vale destacar que essa demanda foi mencionada por quase 97% dos entrevistados.

E mais, 79% dos empreendedores acreditam que o contador poderia oferecer mais auxilio para ajudar a melhorar os negócios, em contrapartida, 25% afirmaram que já recebem esse tipo de suporte.

Ainda assim, 23% alegaram ter o suporte do contador na gestão financeira, 73% afirmaram pensar que o profissional contábil poderia apoiar mais os cuidados com o dinheiro negócio.

OUTROS DADOS

Abaixo, veja um resumo das demais informações trazidas pelo estudo conduzido pelo SEBRAE a respeito da relação entre empresários e contadores:

  • 30% utilizaram o contador para a implementação de sistemas informatizados, mas 63% acham que esse serviço poderia ser mais ofertado
  • 15% utilizaram o contador na elaboração do plano de negócios, mas 67% gostariam de ter esse suporte
  • 29% receberam do contador relatórios de desempenho e diagnóstico, mas 77% gostariam de ter esse serviço
  • 7,1 é a nota média que o empreendedor dá ao contador quanto ao seu nível de conhecimento sobre a empresa
  • 35% dos empreendedores deram uma nota entre 0 e 6 ao seu contador
  • 29% avaliaram os contadores com uma nota 9 ou 10
  • 8,3 é a nota média dada ao contador no quesito confiança
  • 7,6 é a nota média quanto à clareza e compreensão das informações recebidas do contador.
Procure manter sempre uma boa relação com o seu contador, ele é o seu braço direito nas questões financeiras da empresa. (Imagem: Ilustrativa)
Procure manter sempre uma boa relação com o seu contador, ele é o seu braço direito nas questões financeiras da empresa. (Imagem: Ilustrativa)

Procure manter sempre uma boa relação com o seu contador, ele é o seu braço direito nas questões financeiras da empresa.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e siga as nossas redes sociais Instagram, Facebook, LinkedIn e Youtube.

 

Leia também

Efeitos da Pandemia sobre os cálculos do 13º salário

Como escolher o melhor Regime Tributário para 2021

Entenda como o contador é importante em uma pequena empresa

 

Suporte