Entenda a relação entre Contabilidade e curva ABC das empresas

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. Conheça aqui um pouco mais sobre esse assunto e entenda como a contabilidade atua na definição dessa curva dentro das empresas dos seus clientes.

O QUE É A CURVA ABC?

A curva ABC, também conhecida como 80-20, foi criada baseada nas teorias econômicas de um renascentista italiano, em 1897, chamado Vilfredo Paretto. Na época, ele criou um estudo sobre como era feita a distribuição de renda e percebeu, então, que a distribuição das riquezas era feita de uma forma muito desconforme: Paretto constatou que 80% das riquezas se concentravam nas mãos de uma pequena porção da população, 20%. Daí o nome curva 80-20.

Desde então, esse princípio de avaliação passou a ser aplicado em várias outras áreas e atividades, como nos setores industrial e comercial. Hoje em dia, a curva ABC vem sendo muito utilizada no controle de estoques, na definição de políticas de vendas, no planejamento de distribuição, na programação da produção e em vários outros assuntos comuns no dia a dia de toda empresa.

Com o avanço tecnológico e o uso de computadores que se tornam cada vez mais potentes e mais acessíveis, surgiram muitos softwares que ajudam com um processamento muito mais prático do grande volume de dados com que uma empresa tem que lidar frequentemente.

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)
A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)

Empresa pode pedir teste de gravidez no exame admissional ou demissional?

Quais são as profissões do futuro?

MAS AFINAL, O QUE REPRESENTAM AS LETRAS A, B E C?

No caso do estoque, as letras A, B e C separam os itens de acordo com sua importância e impacto. Dessa forma, a classificação fica assim:

Classe A: se trata dos principais itens no estoque. São itens de altíssima prioridade, que nunca devem faltar. 20% desses itens já correspondem a 80% do valor do estoque.

Classe B: são itens ainda considerados preciosos economicamente, mas menos importantes que da classe A. 30% desses itens correspondem a apenas 15% do valor do estoque.

Classe C: esses são os 50% restantes dos itens em estoque. São os menos valiosos e correspondem a apenas 5% do valor do estoque.

No caso dos clientes, é só aplicar a mesma regra. Clientes da classe A são aqueles com os contratos mais caros e responsáveis pelas maiores vendas da empresa, e assim sucessivamente, seguindo a classificação.

A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)
A curva ABC é uma ferramenta muito utilizada pelas empresas dos mais variados setores. (Imagem: Ilustrativa)

Quem deve emitir Nota Fiscal Eletrônica?

Chegou a hora de Migrar de MEI para ME. Saiba como

QUAL A RELAÇÃO DA CURVA ABC COM A CONTABILIDADE?

Como a curva ABC permite que seja feita uma análise envolvendo todas as vendas, compras, estoque e, consequentemente, o dinheiro movimentado, a curva ABC possui grande valor para a contabilidade da empresa. Se tudo o que entra e sai da empresa for rigorosamente controlado, a chance de ter um nível de fluxo de caixa adequado é muito maior. Além disso, a curva ABC evita alguns acidentes potencialmente perigosos como, por exemplo, deixar clientes desabastecidos, finanças comprometidas ou compras inadequadas e desnecessárias.

É um conceito relativamente fácil de ser aplicado, mas exige que o gestor da empresa e o profissional contábil tenham grande atenção para com o estoque — que costuma ser um grande problema para as empresas, pois demanda muito espaço e custos para mantê-lo.

Fonte: Jornal Contábil

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e nós acompanhe nas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Saiba as diferenças entre sócio – administrador e sócio – quotista

Boa parte das empresas com personalidades jurídicas possuem dois tipos de participação societária. Logo, é comum que parte desses conceitos não sejam tão claros no dia a dia dos negócios, pois possuem vários aspectos descritos em leis.

Porém, é importante conhecer as diferenças básicas entre esses dois tipos de participação societária assim as pequenas e médias empresas possam tomar decisões mais informadas ao definir como será a participação de cada sócio. O entendimento dessas diferenças ajudará no relacionamento entre eles, já que questões importantes poderão ser resolvidas prevendo os possíveis problemas.

Saiba agora, a diferença entre sócio - administrador e sócio – quotista (Foto: Ilustrativa)
Saiba agora, a diferença entre sócio – administrador e sócio – quotista (Foto: Ilustrativa)

Saiba agora, neste artigo, a diferença entre sócio – administrador e sócio – quotista:

SÓCIO – ADMINISTRADOR

O sócio – administrador, como o próprio nome indica, é o responsável por desempenhar todas as funções administrativas da empresa. É ele quem conduz o dia a dia do negócio, assinando documentos, respondendo legalmente pela sociedade, realizando empréstimos e outras ações gerenciais.

SÓCIO – QUOTISTA

O sócio – quotista não tem qualquer envolvimento nas atividades administrativas da sociedade. Ainda assim, ele tem direito à divisão dos lucros, tendo em vista que também integrou uma parte do Capital Social para montar a empresa.

Vale destacar que quando nenhum dos sócios é administrador, outra pessoa deve ser indicada para essa função. Apesar de ganhar poder para exercer todas as atribuições do sócio-administrador, ela não terá participação nos lucros e prejuízos da empresa como os demais sócios, tendo em vista que não ajudou a compor o Capital Social.

Saiba agora, a diferença entre sócio - administrador e sócio – quotista (Foto: Ilustrativa)
Saiba agora, a diferença entre sócio – administrador e sócio – quotista (Foto: Ilustrativa)

É IMPORTANTE SABER

O sócio – administrador recebe o pró-labore mensalmente, como um pagamento pelo trabalho desenvolvido na empresa. O recebimento implica no pagamento do INSS, que tem como base de cálculo seu salário declarado.

Já o sócio – quotista deve ser remunerado pela distribuição de lucros. Mesmo não trabalhando efetivamente no dia a dia do negócio, ele tem direito a receber esses valores para compensar o tempo em que seu dinheiro ficou investido na empresa e por ter assumido os riscos do empreendimento.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e siga as nossas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Leia também:

Saiba como funciona o pagamento de férias coletivas

Entenda como aumentar suas vendas com o Pós-Venda

Saiba como funciona o pagamento de férias coletivas

Redação de Thiagho Silva
Suporte