O que mudou nas Micro e Pequenas Empresas depois da pandemia?

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas.

Se o impacto sobre a vida humana é negativo, ainda não é possível afirmar todas as consequências dos impactos econômicos causados pela crise do novo coronavírus no Brasil, mas a falta de acesso a crédito bancário para as micro e pequenas empresas do país obrigam os empreendedores a tomar medidas de contenção de despesas e racionalização de custos.

A estimativa consta do boletim Focus, publicação divulgada semanalmente pelo Banco Central, com a projeção para os principais indicadores econômicos. A previsão para o crescimento do PIB em 2021 segue em 3,20%; e para 2022 e 2023 continua em 2,50%.

O Valor das Micro e Pequenas Empresas 

Representando o grupo empresarial mais frágil diante da crise de Covid-19, de acordo com dados do Sebrae, as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) têm 27% de participação na formação do Produto Interno Bruto nacional e respondem por 52% dos empregos com carteira assinada.

Segundo especialistas, algumas podem ser obrigadas a demitir funcionários e fechar as portas, pois com o isolamento social, hábitos e prioridades de consumo foram modificados e, consequentemente, o dinheiro passou a circular com velocidade muito menor na economia.

“O Brasil ainda está vivenciando a entrada na tempestade, enquanto alguns países estão saindo, como China e Coréia do Sul. É evidente que ao sair da tempestade, o efeito da crise causará dor durante algum tempo, em vários sentidos. Para tentar minimizar os impactos, as micro e pequenas empresas podem tomar algumas medidas”, comenta Otaniel.

Transformar-se

Com a pandemia, novos modelos de negócios e canais  de comercialização e “empresários que ainda não possuem ferramentas e canais digitais devem refletir sobre isso, pois esses novos canais tornaram-se importantes fontes para o fortalecimento de receitas”.

Uma empresa que não está apta a compreender essa mudança, conceber uma adaptação de seus produtos, crenças e modo de operar, está fadada ao fracasso. Ao perceber que algo está segurando o crescimento do negócio, um bom empreendedor sabe reagir de forma rápida para mudar o que for preciso.

Apegar-se às próprias ideias de forma obtusa não combina com quem quer empreender nesse cenário.

Visão além da crise

Quem lidera uma micro ou pequena empresa, a prioridade máxima deve ser manter a família e os funcionários em segurança. Nesses períodos de dificuldades, é preciso rever os processos da empresa, conversar com a equipe e ouvir o que eles têm a dizer, além de observar pontos de melhoria, analisar formas de redução de custo com fornecedores, pode ajudar a segurar o negócio durante esse período de dificuldades.

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)
Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)

Atenção redobrada com o fluxo de caixa

A maioria das MPEs não possuem governança elevada e seus fluxos de caixa são apertados, sem reservas financeiras – algumas sobras são imobilizadas sem alinhamento estratégico com a operação, ficando sem liquidez.

Tempo e dinheiro são recursos finitos, por isso, é preciso saber usá-los com sabedoria. Planejar a necessidade de um fundo de emergência, saber onde gastar e ter recursos para manter a empresa funcionando até o ponto de virada é imprescindível.

Reduzir custos desnecessários  

Nesse momento de crise, priorize os principais custos da empresa. “Elimine os gastos extras o mais rápido possível. Essa medida pode não salvar a empresa a curto prazo, mas certamente, trará mais clareza a longo prazo. Após a crise, ela estará mais forte. Enxugando os gastos, podemos reduzir os prejuízos”, frisa Otaniel Martins.

Não ignore as mudanças no mercado

Empresas falham quando não estão resolvendo um problema do mercado. Muitas vezes, o empreendedor tem uma grande ideia e uma ótima estrutura tecnológica por trás, mas essa solução não atende as necessidades atuais do mercado consumidor.

Portanto, apesar de difícil, essa também é uma grande oportunidade para fomentar esse conceito e toda a sua cadeia em nossa sociedade. Afinal, gera mais empregos, fluxo de capital, amadurece a estrutura de investimentos em pequenos negócios, entre outros benefícios.

Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)
Pela 14ª semana seguida, piorou a expectativa do mercado financeiro para o recuo do PIB, o Produto Interno Bruto, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em relação as Micro e Pequenas empresas. (Imagem: Ilustrativa)

A mudança também inclui uma maior aproximação com seus fornecedores, reconstruindo a relação em um formato mais próximo ao da sua empresa. Eles podem se tornar parceiros e fazerem parte do negócio, e isso também deve ser levado em consideração fora dos períodos de crise.

A pandemia provocou mudanças nas maneiras de se fazer negócios. As micro e pequenas e presas terão que pensar rápido e diferente. Esse novo mundo aprendeu que não dá para focar apenas o maior ganho.

É melhor focar os ganhos menores para continuar no azul. É um mundo que vai olhar muito para a transformação digital e encontrar novas alternativas para antigos e novos problemas.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e acompanha a gente nas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Veja também

Saiba como funciona o pagamento de férias coletivas

Pesquisa revela relação entre empresário e contador. Veja

Efeitos da Pandemia sobre os cálculos do 13º salário

Caixa Tem vai oferecer créditos para usuários

O aplicativo da Caixa Tem da Caixa Econômica Federal, pegou a todos de surpresa ao informar que irá disponibilizar microcréditos de R$ 100 a R$ 300. Entretanto, o serviço ainda se encontra em fase de teste e liberação final.

Um dos primeiros passos do banco em relação ao aplicativo foi migrar os beneficiários do auxílio emergencial para uma conta poupança digital que permite movimentação através do Caixa Tem.

O QUE DISSE A CAIXA

De acordo ao presidente da Caixa Econômica Federal, o banco passará a oferecer também linhas de crédito para usuários do Aplicativo. Após o fim do auxílio emergencial.

Ficou definido que os valores dos benefícios irão variar entre R$ 100 e R$ 300, sendo que o banco também irá realizar sorteios de até R$ 250.000.

Vale destacar que essa não é a primeira vez que o Pedro Guimarães havia falado dos valores dos empréstimos, em outra ocasião, ele já adiantou que seriam de R$ 100,0R$ 200 e R$ 300, com liberação digital. Na avaliação dele, os valores são baixos, mas os impactos serão positivos, pois superarão os possíveis calotes. O aplicativo está em fase final de desenvolvimento.

Tudo o que precisa saber sobre o Imposto de Renda 2021

De acordo ao presidente da Caixa Econômica Federal, o Caixa Tem passará a oferecer também linhas de crédito para usuários do Aplicativo. (Imagem: Ilustrativa)
De acordo ao presidente da Caixa Econômica Federal, o Caixa Tem passará a oferecer também linhas de crédito para usuários do Aplicativo. (Imagem: Ilustrativa)

Prorrogado o prazo do Simples Nacional 2021. Saiba tudo

CLT ou PJ. Qual a melhor forma de trabalho?

A medida é para diminuir os efeitos da pandemia de Covid-19 na economia. Uma campanha divulgada pela caixa, promete sortear prêmios de até R$ 250 mil, para aqueles que estão inscritos no aplicativo. Porém, isso só será possível graças a uma parceria entre o banco e a Visa, que servirá para elevar o número de transações eletrônicas, tendo em vista que o sorteio se dará de forma digital.

O desejo do presidente da Caixa é alcançar as famílias de baixa renda, que foram afetadas pela pandemia da Covid-19, e também os beneficiários do auxílio emergencial, que poderão solicitar o crédito por meio do Caixa Tem.

COMO PARTICIPAR

Para participar, previamente, a pessoa deve estar inscrita no Caixa Tem, atendendo a esse requisito, basta seguir as seguintes instruções:

  • Acessar a plataforma “Vai de Visa” e se cadastrar;
  • Feito isso, basta realizar quatro compras de qualquer valor, utilizando o cartão de débito ‘online’ do Caixa Tem
  • A cada quatro compras será disponibilizado um número para o usuário, que poderá ser sorteado.
  • Serão disponibilizados um certificado ouro no valor de R$ 250 mil;
  • Cartões pré-pagos de R$ 10.000 (serão feitos sorteios ao menos 4 vezes ao mês);
  • Mais de 1.400 cartões pré-pagos com valores variados de R$ 50, R$ 100 e R$ 250.

Fontes: Correio Braziliense, TV Brasília e Jornal Contábil.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade

Siga as nossas redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter, Youtube e Linkedin.

Quais os impactos do coronavírus nos negócios de eventos empresariais

De acordo a uma pesquisa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), os reflexos da pandemia do Coronavírus nas atividades econômicas são bastante significativos.

O isolamento social é uma das medidas preventivas para conter a aglomeração de pessoas e, assim, evitar a proliferação do novo coronavírus. Com isso, o segmento de eventos do país sofreu drasticamente. Um levantamento feito pelo Sebrae, em abril, mostra que a pandemia do coronavírus afetou 98% do setor de eventos. Apesar de terem sido impactadas pela crise, 64% das empresas afirmam que não preveem demissão dos funcionários nos próximos três meses.

Para tentar amenizar os efeitos da crise, empresários tentam negociar prazos: 34% devolveram o dinheiro para o contratante, mas 35% deles contam que conseguiram negociar crédito para utilizar futuramente.

A pesquisa ouviu prestadores de serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas, além de profissionais cujos trabalhos envolvem aluguel de estruturas como palcos, estandes, iluminação, som, bem como serviços de filmagens, produção fotográfica, bufê de festas, decoração, assessoria cerimonial, seguranças, transporte, agência e operadora de turismo, entre outros.

Receita Federal exige devolução do Auxílio Emergencial. Saiba mais.

Tudo o que precisa saber sobre o Imposto de Renda 2021

 

O impacto provocado pela Coronavírus também fica evidente observando o faturamento do setor. (Imagem: Ilustração)
O impacto provocado pela Coronavírus também fica evidente observando o faturamento do setor.. (Imagem: Ilustração)

Prorrogado o prazo do Simples Nacional 2021. Saiba tudo

CLT ou PJ. Qual a melhor forma de trabalho?

O impacto provocado pela Covid-19 também fica evidente observando o faturamento do setor. Em comparação ao mês de abril do ano passado, 62,5% dos entrevistados acreditam na redução de 76% a 100% do faturamento em abril deste ano.

Adaptações para a sobrevivência dos negócios

Buscando soluções para sobreviver a este momento e visando à preparação para a retomada dos negócios, 30,1% dos empresários estão aprimorando a gestão. Uma preocupação também é o relacionamento com o mercado: 25,2% dos entrevistados estão fortalecendo essa relação. As medidas adotadas durante a quarentena para evitar a falência abrangem a capacitação de funcionários: 17,2% dos empresários investem em qualificação da equipe para esse novo momento, e 15,5% adotam o uso de novas tecnologias.

Para minimizar os impactos nesse setor é necessária a atuação conjunta das entidades de apoio do setor de negócios e eventos. Trabalhando junto é possível elaborar projetos e políticas assertivas para desenvolvimento do setor e recuperação da economia.

Conheça a Fiscalizo Contabilidade e siga as nossas redes sociais Instagram, Facebook, Linkedin e Youtube.

Fonte: Sebrae

 

Efeitos da Pandemia sobre os cálculos do 13º salário

Nos últimos dias o governo liberou uma nota técnica, explicando que o 13º deve ser pago integramente para quem teve a jornada de trabalho reduzida em função da pandemia.

De acordo ao documento, o benefício natalino deverá ser calculado com base na remuneração integral do mês dezembro e não poderá ter influência nas reduções temporárias de jornada e salário.

Ainda de acordo ao mesmo texto, o pagamento integral valerá mesmo que, em dezembro, o funcionário esteja recebendo remuneração menor em função da jornada reduzida.

Para os casos de contratos suspensos, o período em que o funcionário não prestou serviço, logo não deverá ser considerado para o calculo do 13º, desde que ele tenha prestado serviço por mais de 15 dias no mês. Com isso, o mês será considerado normalmente para o pagamento do benefício.

De acordo a secretária de trabalho, a nota técnica divulgada foi necessária para sanar as diversas dúvidas que pairavam sobre a população. (Imagem: Ilustrativa)
De acordo a secretária de trabalho, a nota técnica divulgada foi necessária para sanar as diversas dúvidas que pairavam sobre a população. (Imagem: Ilustrativa)

EM SUMA

Trabalhador com redução de jornada
  • 13º: recebe integral, equivalente à remuneração de dezembro (sem considerar a redução)
  • Férias: tem direito a férias normalmente, após 12 meses trabalhados, com pagamento do mês integral mais 1/3
Trabalhador com contrato suspenso
  • 13º: Neste caso, o cálculo será feito sobre o salário de registro, relativo a dezembro. Porém, são computados apenas os meses trabalhados, sendo 1/12 de salário por mês trabalhado. Assim, são considerados meses trabalhados aqueles no qual a pessoa trabalhou pelo menos 15 dias. Logo, quem ficou três meses com o contrato suspenso, por exemplo, vai receber 9/12 de salário como 13º.
  • Férias: Aqui, valerá mesma regra. A nota técnica define que os períodos de suspensão do contrato de trabalho não são levados em conta para o período aquisitivo de férias. Assim, o trabalhador terá direito às férias somente após a conclusão dos 12 meses de trabalho.

De acordo a secretária de trabalho, a nota técnica divulgada foi necessária para sanar as diversas dúvidas que pairavam sobre a população. O posicionamento “é o meio adequado para orientar a fiscalização de trabalho e o público em geral, dado o entendimento de que há substrato jurídico suficiente na legislação para esclarecimento do tema”.

De acordo a secretária de trabalho, a nota técnica divulgada foi necessária para sanar as diversas dúvidas que pairavam sobre a população. (Imagem: Ilustrativa)
De acordo a secretária de trabalho, a nota técnica divulgada foi necessária para sanar as diversas dúvidas que pairavam sobre a população. (Imagem: Ilustrativa)

CORTE E SUSPENSÃO

A suspensão de contratos e redução de remuneração e jornada também foram aceitos por meio do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda, do governo federal. Onde permite aos empregadores suspenderem os contratos de trabalho ou reduzir as remunerações e as jornadas em 25%, 50% ou 70% até 31 de dezembro.

Logo abaixo veja como ficaram os pagamentos dos benefícios para preservação de emprego:

  • Suspensão do contrato de trabalho: recebe 100% da parcela do seguro-desemprego, que pode variar de R$ 1.045 a R$ 1.813,03 (exceto no caso de funcionário de empresa com receita bruta superior a R$ 4,8 milhões – neste caso: recebe 30% do salário + 70% da parcela do seguro-desemprego)
  • Redução de 25% na jornada: recebe 75% do salário + 25% da parcela do seguro-desemprego
  • Redução de 50% na jornada: recebe 50% do salário + 50% da parcela do seguro-desemprego
  • Redução de 70% na jornada: recebe 30% do salário + 70% da parcela do seguro-desemprego
  • Nenhum trabalhador vai ganhar menos do que um salário mínimo

Caso tenha interesse, baixe a nota técnica CLICANDO AQUI. Siga as redes sociais da Fiscalizo Contabilidade, Instagram, Facebook, LinkedIn e Youtube.

O seu cliente está na mesma situação que você, então seja transparente com ele

Mais uma vez o mundo está enfrentando uma crise forte, desta vez a crise não é somente financeira, mas também de saúde. Com isso, as empresas tiveram que se adaptar com os trabalhos home office.

Serviços essenciais, por lei não podem interromper suas atividades então, essas empresas estão funcionando em meio ao caos mundial. Outras empresas, que não fazem parte da lista de essenciais, também estão autorizadas, porém com muitas restrições.

Sem poder sair de casa, os números de ligações, entregas de delivery, compra de produtos aumentaram bastante, porém com o quadro de funcionários reduzidos, aumenta também os atrasos nas entregas e a escassez no atendimento.

Com isso, os números de reclamações também aumentaram, nos últimos dias o site Reclame Aqui, o mais popular do Brasil, registrou cerca de 10 mil novas reclamações, dentre os serviços mais reclamados estão telefonias, bancos, entregas.

Conheça algumas ferramentas para lhe ajudar no atendimento de seus clientes.

saiba como aumentar as suas vendas e ter muito sucesso financeiro

Se a sua empresa atua nesses ramos você precisa deixar bem claro para seus clientes sobre os novos prazos e a demora nos atendimentos. As reclamações só acontecem quando o cliente que, estava acostumado a ser atendido rápido, não é orientado sobre a escassez.

O ideal para os e-commerce é informar o cliente sobre os prazos de separação e preparação da mercadoria, e somar junto os prazos da transportadora.

O mesmo vale para os restaurantes e lanchonetes que operam via aplicativos de entrega, se possível aumente o tempo de preparação dos pedidos ou diminua o raio de atendimento.

Para as empresas de call center ou que atendem via telefone, é primordial deixar uma mensagem sobre o tempo de entrega e uma opção de retorno de contato.

Seja sempre verdadeiro com seus clientes, eles vão entender, afinal todos passando pelo mesmo problema. O próprio site Reclame Aqui, deixa uma mensagem alertando sobre a demora nas respostas para as novas reclamações.

Suporte